Acesse o Diário Oficial do Estado

Acessar

Bens inservíveis são repassados à DGAP

Servidor da DGAP assina papeis de cessão de patrimônio

A Secretaria de Estado da Casa Civil concluiu nesta segunda-feira, dia 13, o repasse dos bens inservíveis - que não podem ser mais aproveitados para uso na pasta - para a Diretoria Geral de Administração Penitenciária de Goiás (DGAP). “São ao todo 408 bens, que somam aproximadamente uma tonelada. Nós dividimos tudo em três lotes e a entrega precisou ser feita em dois dias”, afirma Clarice Gonçalves, integrante da Comissão de Desfazimento da secretaria.

De acordo com o gerente de apoio logístico da Casa Civil, Edir Lopes Júnior, o repasse dos materiais foi uma iniciativa que seguiu o processo previsto em lei para a doação. “Quando iniciamos a gestão percebemos que havia bens inservíveis, defeituosos, até sucatas mesmo, acumulados, por falta de providências, em depósitos improvisados dentro da Casa Civil e no imóvel que a pasta alugava”, explicou o gerente.

A destinação dos materiais será a oficina de transformação da DGAP que, de acordo com Ismael Perim, realiza os reparos para que os bens transformados sejam distribuídos entre as unidades penitenciárias do interior do Estado. “Nós desmontamos, retiramos peças que ainda podem ser utilizadas, testamos bens que podem complementar a estrutura das unidades no interior de Goiás e utilizamos a mão de obra dos reeducandos para a realização dos consertos e da transformação”, afirmou o servidor da DGPA.

O desfazimento promove mais organização e segurança aos ambientes de trabalho da Casa Civil, além de ser parte do processo de atualização do patrimônio da secretaria. “O desfazimento de bens permite uma utilização melhor do ambiente, mantém a Casa Civil organizada e auxilia na segurança dos servidores, que não correm risco de utilizar móveis ou equipamentos que não estejam em boas condições de uso”, contou Clarice Gonçalves. “Essa ação permite inclusive a atualização do ativo do Estado e gera uma percepção patrimonial do que precisa adquirido, do que precisa ser renovado”, completou Edir Lopes Júnior.